Duas vezes na final

Trabalhos de estudantes de Jornalismo da Unifran estão classificados para o Prêmio Abag-RP “José Hamilton Ribeiro”

Da redação

Foto acima: Aline, Gabriel e Fernando tiveram reações de emoção, surpresa e motivação ao receberem a notícia de que estão na final (Acervos pessoais)

Duas reportagens desenvolvidas no curso de Jornalismo da Universidade de Franca (Unifran) estão na final do Prêmio Abag-RP “José Hamilton Ribeiro”, promovido pela Associação Brasileira do Agronegócio, Regional de Ribeirão Preto. A classificação foi anunciada nesta quarta-feira (1º/12). Os campeões serão conhecidos na próxima segunda-feira (06/12), em cerimônia online. O primeiro colocado levará para casa um vale-compra de R$ 3.500; o segundo recebe R$ 2.500 e o terceiro, R$ 2 mil.

Ambas as matérias concorrem na categoria Jovem Talento, voltada a estudantes universitários, modalidade Escrita. Aline Arbache e Gabriel Garcia, do segundo ano do curso, participam com “Limpeza na lavoura”, sobre um trabalho da professora Alessandra Marieli Vacari, da Unifran, que conduz um projeto de pesquisa em Entomologia Aplicada para avaliar o uso de insetos crisopídeos, conhecidos popularmente como bichos-lixeiros, no combate a pragas nos cafezais.

Já Fernando Joaquim, que é publicitário e está no terceiro ano de Jornalismo, inscreveu “Benefícios da própolis”, sobre outra pesquisa da Unifran, desta vez em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), que busca disponibilizar um gel a partir da própolis para aliviar os efeitos da mucosite em pacientes com câncer de cabeça e pescoço, um dos efeitos do tratamento com quimio e radioterapia.

Os trabalhos foram orientados pelos professores Aline Azevedo e Igor Savenhago, dentro de um projeto interdisciplinar oferecido no primeiro semestre deste ano, o Agenda Científica. A professora Aline explica que a ideia surgiu com o objetivo de criar uma ponte entre a universidade e a sociedade, comunicando resultados de pesquisas e processos realizados nos laboratórios e grupos de pesquisa da Unifran. “Para isso, envolveu alunos, docentes e pesquisadores de todas as áreas, que colaboraram ativamente. Então, só posso agradecer o apoio de todos neste trabalho, e parabenizar os alunos pelo excelente resultado.”

Desde 2015, é o terceiro ano em que o curso de Jornalismo da universidade coloca estudantes na final deste prêmio, sendo o segundo consecutivo. No ano passado, Ana Laura Siqueira e Heloísa Taveira, que estavam no último ano, conquistaram, respectivamente, o terceiro lugar na modalidade áudio/vídeo, com a reportagem “Ingredientes regionais”, e o segundo na modalidade Escrita, com “Aliada da saúde”.

A mesma Ana Laura se classificou agora em 2021 para a final da categoria Profissional,  modalidade Revista Impressa, com a reportagem “Livre de gás”, publicada na Revista Terra&Cia, de Ribeirão Preto-SP, que mostra um trabalho para a produção de um leite sustentável. Ela vai concorrer com jornalistas das revistas A Granja e Globo Rural.

Heloísa e Ana Laura foram premiadas pelo Abag-RP no ano passado (Fotos: Acervos pessoais)

Sensações

A estudante Aline Arbache recebeu a informação sobre a classificação para a final quando estava no trabalho. “É de acelerar o coração. Eu sei porque o meu coração acelerou muito. Não dava para sair gritando na frente de todo mundo, mas com certeza é uma vitória e, principalmente, um reconhecimento muito grande, pelo fato de sermos estudantes. Com certeza, está tudo valendo a pena, principalmente porque agora a gente tem um spoiler do que virá a ser a nossa vida profissional.”

Já Gabriel afirma que estar na final é gratificante, e que o processo de produção da reportagem misturou seriedade com diversão. “É muito interessante saber sobre o campo, sobre como as pessoas cuidam das lavouras. E uma surpresa grande saber que chegamos até aqui, na final. Agora, a gente espera vencer.”

Fernando tem um sentimento parecido. “Que a gente possa comemorar na próxima segunda-feira”. Ele acredita que o mais importante, no entanto, é levar informação sobre ciência, principalmente no momento que o país atravessa. “Ter uma matéria finalista no Prêmio Abag é muito importante. É uma forma de me motivar a querer fazer mais. Pegar uma de nossas riquezas naturais, que tem propriedades medicinais, e expor isso de forma ampla é extremamente relevante.”

A coordenadora do curso de Jornalismo da Unifran, Fabiana Parpinelli Fernandes, parabeniza os alunos e professores. “Estamos honrados com a indicação de dois trabalhos ao Prêmio ABAG-RP de Jornalismo. Ela representa o reconhecimento da competência e compromisso da comunidade acadêmica com a educação de qualidade.”

José Hamilton

O jornalista que dá nome ao prêmio da Abag-RP é considerado o repórter brasileiro do século XX. Ganhou sete prêmios Esso, um dos principais da imprensa nacional, feito que nenhum outro conseguiu.

Nascido em Santa Rosa de Viterbo-SP, em 29 de agosto de 1935, ele era repórter especial do Globo Rural até o último mês de novembro, quando se desligou da Globo após mais de 40 anos na emissora. Teve, também, passagens pelo jornal Folha de S. Paulo e pelas revistas Quatro Rodas e Realidade – esta na qual viveu uma de suas passagens mais marcantes, na cobertura da Guerra do Vietnã, em 1968, quando pisou numa mina e perdeu a perna esquerda.

Ele relatou o episódio para a revista, reportagem com a qual venceu um dos prêmios Esso. Esta e as outras seis premiadas estão no livro “O repórter do século”.

José Hamilton Ribeiro trabalhou por mais de 40 na Globo (Foto: Memória Globo)