Entre os finalistas

Duas produções do Curso de Jornalismo da Unifran, com temas sobre saúde, estão classificadas para o Expocom Sudeste 2021

Da redação

Foto acima: Expocom, concurso promovido pelo Intercom, premia trabalhos universitários em cerca de 70 modalidades de seis categorias; nos últimos seis anos, Jornalismo da Unifran conquistou seis troféus regionais e um nacional (Divulgação/Intercom).

Dois trabalhos desenvolvidos no curso de Jornalismo da Unifran em 2020, com temáticas relativas à saúde, acabam de ser anunciados como finalistas do Expocom Sudeste 2021, concurso promovido pelo Intercom Inter-regiões, etapa regional do maior congresso de comunicação do Brasil. O anúncio foi feito neste dia 29 de junho. Os vencedores serão conhecidos no próximo dia 4 de agosto, em cerimônia online. Os campeões de cada modalidade se qualificam para a fase nacional, a ser disputada em outubro.

Um dos classificados é o livro-reportagem “Olimpianos”, das estudantes Milena Fischer, Ana Flávia Teixeira, Andressa Barros, Kétila Maria da Silva, Júlia Paiva e Maria Júlia Tazinaffo Blanco, que foi criado como Projeto Experimental de Conclusão de Curso, sob orientação dos professores Igor Savenhago e José Augusto Reis.

Inscrita na categoria Jornalismo, modalidade Livro-reportagem, a obra, que será lançada em breve, traz depoimentos de pessoas com deficiência ou de responsáveis por elas, que relatam barreiras enfrentadas no dia a dia e avanços obtidos a partir do momento em que começaram a ser atendidas por instituições da região de Franca – a Sociedade dos Cegos, a Associação de Pais e Amigos dos Deficientes (APADA) e a APAE de São Joaquim da Barra-SP.

A linha narrativa do livro propõe uma analogia do trabalho dessas instituições e da luta das pessoas com deficiência por inclusão com a história do deus mitológico grego Hefesto – que foi expulso do Olimpo pela mãe, Hera, por ter nascido com um problema físico. Resgatado, foi criado pela filha do Oceano, Tétis.

Milena, Kétila, Júlia, Maria Júlia, Andressa e Ana Flávia: com um Expocom regional e um nacional, elas buscam, agora em 2021, mais uma conquista com trabalho sobre deficiências (Foto: Beto Assis)

O caminho escolhido parte de um estudo de Edgar Morin, que, no livro “Cultura de massas no século XX”, estabelece uma crítica ao endeusamento precipitado que os meios de comunicação de massa promovem às pessoas famosas, propondo uma idolatria social, que tem, como objetivo principal, garantir lucro ao sistema capitalista, transformando-as, erroneamente, em figuras que passam a ser vistas como deuses. Nesse aspecto, “Olimpianos” sugere uma substituição, no Olimpo, dessas celebridades por grupos que atuam em causas sociais, reconhecendo que são eles os merecedores desse lugar.

O livro é uma continuidade de uma proposta interdisciplinar desenvolvida pelo mesmo grupo em 2018 e que, no ano seguinte, venceu o Expocom Nacional na modalidade Projeto de Comunicação Integrada – na ocasião, foram desenvolvidos uma revista com versão em braille e um programa de rádio, destinados a pessoas com deficiência visual.

O outro produto classificado é o vídeo-documentário “Mães de UTI”, elaborado como projeto interdisciplinar e orientado pelas professoras Assunção Cristóvão e Aline Bocchi, envolvendo os estudantes Eudis Silva, Andressa Barros, José Eduardo de Oliveira, Rafael Mascagni, Tatiane Oliveira, Sérgio Nascimento e Carolina Arantes.

O documentário, que concorre na categoria Cinema e Audiovisual, modalidade Filme de não ficção/documentário/docudrama, buscou ouvir a voz de mães de bebês prematuros que utilizaram, em algum momento, o aplicativo Universo Prematuro, desenvolvido pela Unifran. A ideia era, a partir desses relatos, ajudar outras mães, tanto no sentido de saberem que não estavam sozinhas, quanto também para informar sobre a existência do aplicativo, que ajuda mulheres a resolver os problemas que aparecem no dia a dia da vida de uma mãe de filho prematuro.

Como é o cotidiano das famílias cujos bebês requerem atenção especial? Como essas mães lidam com suas angústias e inseguranças? Quais são suas fontes de informação sobre práticas de cuidado com os bebês? É possível conciliar esses cuidados com o trabalho dentro e fora de casa? Essas foram algumas das questões que orientaram este projeto.

Por causa das dificuldades de encontros presenciais impostas pela pandemia de Covid-198, as mulheres foram instruídas a se gravar falando de suas experiências, a partir de um roteiro de perguntas pré-estabelecido e após conhecerem os alunos e o objetivo do projeto, para que se sentissem à vontade diante das câmeras.

O Expocom

Concurso promovido pelo Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom), o Expocom premia trabalhos universitários desenvolvidos em cerca de 70 modalidades de seis categorias (Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas, Cinema e Audiovisual, Produção Transdisciplinar, e Rádio, TV e Internet).

Desde 2015, quando começou a participar, o curso de Jornalismo da Unifran conquistou seis troféus do Sudeste, um nacional e colocou mais 19 trabalhos na final regional – 21 com os dois de agora.

“Mães de UTI” aborda o cotidiano de mulheres que tiveram bebês prematuros (Foto: Divulgação)