Sem eficácia

Na última reportagem em áudio da série sobre Covid-19, o risco de medicamentos que não têm efeito contra o vírus

Reportagem e edição: Marília Neves

Apoio técnico: Prof. Ricardo Fadul

Orientação: Prof. Igor Savenhago

Foto acima: Banco de imagens

Ivermectina, Anitta, Dexametasona, Cloroquina, laranja com limão e mel, alho… Nenhum desses medicamentos ou alimentos tem eficácia comprovada para prevenir ou combater a Covid-19, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Apesar de alguns ainda serem receitados no Brasil, sob recomendação do Governo Federal, como é o caso da Cloroquina e da Hidroxicloroquina, que viraram símbolo do combate à doença nas mãos do Presidente da República, Jair Bolsonaro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) lembrou, no último domingo (17/01), no ato da aprovação do uso emergencial das vacinas Coronavac e Oxford, que os efeitos de tratamentos precoces contra o novo coronavírus são inócuos.

Nessa reportagem em áudio, a quinta e última da série sobre a doença (clique para ouvir a primeira, a segunda, a terceira e a quarta), você confere o alerta para os riscos que substâncias não aprovadas cientificamente podem trazer à saúde das pessoas.