Primeira vez

Projeto de estudantes de Publicidade relaciona iniciação sexual com doação de sangue e vence Expocom Sudeste 2020

Júlia Paiva

Foto acima: Da esq. para dir., Josiane, André e Maryha, autores do anúncio (Divulgação)

Produzido por um grupo de estudantes que frequentavam o último ano de Publicidade e Propaganda na Universidade de Franca (Unifran) em 2019, o anúncio de revista “Primeira vez” foi o campeão, na modalidade “Anúncio Impresso”, do Expocom Sudeste 2020, concurso promovido pelo maior congresso de Comunicação do Brasil, o Intercom. O título do trabalho é sugestivo. Parecia antecipar a conquista. Isso porque foi a primeira vez que o curso venceu o prêmio e, em dezembro, concorrerá ao título nacional.

O projeto busca incentivar jovens que nunca doaram sangue a procurar um banco de coleta. Segundo o Ministério da Saúde, são as pessoas entre 18 a 29 anos que mais doam sangue no Brasil. Elas respondem por 42% das captações, de um total de mais de três milhões de bolsas anuais. Entretanto, apesar de o número total de doadores – que correspondem a cerca de 1,6% da população brasileira – estar dentro dos parâmetros da Organização Mundial da Saúde (OMS), é necessário um acréscimo, para 3% a 5%, para uma manutenção segura dos estoques. Segundo o ministério, do total de doações feitas no Brasil a cada ano, aproximadamente 66% são por voluntários – os outros 34% vão apenas quando convidados por parentes ou conhecidos. E os jovens estão entre aqueles com grande potencial de comparecer voluntariamente.

“Primeira vez”, desenvolvido pelos estudantes Josiane Santana da Cruz, Maryha Aparecida Costa de Almeida e André Luís Godoi Correia, com colaboração de Cinthia Helena dos Santos, Marcelo Xavier Junior e Saul Ananias Júnior, e orientado pelos professores Igor Savenhago e José Augusto Reis, com apoio de outro docente, Delzio Marques, já havia feito parte de uma campanha classificada entre as seis melhores no Fest’In 2019, festival publicitário promovido pela Associação dos Profissionais de Propaganda de Ribeirão Preto (APP-Ribeirão).

Segundo Maryha, o início do trabalho foi rondado por incertezas, já que, paralelamente a ele, o grupo produzia o Projeto Experimental de Conclusão de Curso. Mas logo foi possível conciliar as coisas. “A produção dele foi bem empolgante, eu diria, porque são aqueles momentos dos quais me lembro com muito amor. Momentos em que a gente sente que está realmente fazendo o que gosta e o que sabe”. Com a liberdade criativa de estudar a melhor forma de posicionar a campanha, o grupo decidiu chamar atenção dos jovens que nunca doaram. E foi por meio de uma alusão com a iniciação dos jovens na vida sexual que o anúncio nasceu.

Aumentar número de doadores é recomendável para manter estoques (Imagem: Divulgação)

Na visão dos estudantes, a expressão “primeira vez” dá a impressão inicial de que a campanha trata de questões relativas ao ato sexual e, somente quando o jovem é instigado a olhar mais de perto, passar a saber que o tema é a doação de sangue. De quebra, chama atenção, já que a primeira vez no âmbito sexual desperta curiosidade, desejos e bastante atenção. “O assunto sexo ainda é um tabu na nossa sociedade e, como o projeto tinha como briefing chamar a atenção dos jovens para a doação de sangue, achamos que esse duplo sentido cairia muito bem”, afirma Maryha.

Josiane, outra integrante, explica que, em uma conversa com outros jovens acerca da doação de sangue, o grupo captou que a maioria das respostas era medo da dor, de ser infectado por alguma doença e passar mal. “São os mesmos medos de um jovem falando sobre a primeira vez na vida sexual. Como o objetivo era captar a atenção dos jovens, esse tema despertaria curiosidade, conseguiríamos prendê-los no anúncio e a mensagem seria assertiva”.

A vitória

Neste ano, por conta da pandemia do Covid-19, o Expocom Sudeste aconteceu remotamente. A Unifran classificou dez trabalhos para a final. A conquista do curso de Publicidade é a sétima regional obtida pelo Núcleo de Comunicação e Design (NCD), supervisionado pelas coordenadoras Ana Márcia Zago e Fabiana Parpinelli, e que, no ano passado, faturou, também, o primeiro nacional, com o trabalho “[In]Visíveis”.

Para Maryha, foi incrível sentir o reconhecimento do trabalho. “Me emociono ao ver que eu e meus amigos fazemos parte disso. A Unifran é merecedora de algo assim e, principalmente, o curso de Publicidade e Propaganda. Tivemos alguns excelentes professores, que nos mostravam a realidade desse mundo publicitário, e isso, muitas vezes, não é valorizado por alguns alunos. Então, fico muito grata em fazer parte disso e agradecida pelos ensinamentos que tivemos.”

Josiane diz que estar entre os melhores do Sudeste não é apenas importante para o grupo, mas para o curso. “É muito gratificante por ser um trabalho ao qual nos dedicamos e porque é importante para calouros, veteranos e formandos. Quanto mais alunos trouxerem trabalhos para a universidade como esse do Expocom, mais ela se torna conhecida.”

A expectativa delas para a etapa nacional, que será realizada entre 1º e 10 de dezembro, é grande. “A mil”, diz Maryha entre risos. “Tô muito feliz com o prêmio regional, mas a gente sabe da capacidade que o nosso projeto tem. Então, estou muito confiante e feliz por tudo isso. Se Deus quiser, conquistaremos o nacional, mas, de qualquer forma, já estou grata e muito feliz por toda a trajetória.” Josiane emenda. “O trabalho está do jeito que pensamos e estamos confiantes na medida do possível e com fé.”

Anúncio é dobrado e tem três partes; para entendê-lo, é necessário abri-lo (Imagem: Divulgação)